domingo, 31 de Agosto de 2008

CAIPIRINHA DE MARACUJÁ - MARACUJINHA

O maracujá, com o seu sabor ácido, combina na perfeição numa caipirinha. Fã de maracujá não pode deixar de experimentar esta combinação.

Entre a verdadeira caipirinha com lima e esta maracujinha... não sei... vou experimentar novamente... bem estou indeciso... acho que vou experimentar um pouco mais...

Com os primeiros maracujás
fiz esta combinação quase perfeita, não digo perfeita, porque ainda não experimentei todas, lol.

Para além do seu sabor tem a textura super crocante das sementes de maracujá, deliciosa.

Fiz assim...

CAIPIRINHA DE MARACUJÁ - MARACUJINHA


INGREDIENTES
1 maracujá grande
2 colheres (sopa) de açúcar
3 colheres (sopa) de cachaça ou vodka
gelo

PREPARAÇÃO
Num almofariz para capirinha, juntar a polpa do maracujá e o açúcar e bater. Juntar a cachaça e bater um pouco mais.
Num copo com 3/4 de gelo verter a mistura.
Degustar sem palhinha, mas com uma colher pequena de madeira ou algo para mexer.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- As sementes do maracujá entopem a palhilha mas como em qualquer bebida com muito gelo é necessário algo para mexer, misturando a água e o álcool.

sábado, 30 de Agosto de 2008

MARACUJÁS


Estes foram os meus 1.ºs maracujás deste ano. O maior que aqui está cortado vai dar uma bela Maracujinha - Caipirinha de maracujá.

sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

BATATAS FRITAS CASEIRAS DE FRIGIDEIRA OU BATATAS À MRS. ANNA

Quando li esta receita - Batatas à Mrs. Anna - no blog Mesa para 4, lembrei-me das batatas fritas que a minha mãe me fazia para uma refeição em horário diferente da de casa. Cortava as batatas, nada de pré-fritas, ligeiramente mais grossas e fritava-as em pouco óleo numa frigideira.

Ficavam umas batatas crocantes, com aspecto rústico. Depois, a minha mãe, até estrelava um ovo em cima delas, ficava divinal. As batatas passavam a fazer parte do ovo estrelado, fantástico.

A receita das Batatas da Mrs. Anna têm algo de original para mim, para além de serem também mais grossas, e fritas numa frigideira, não o são só em óleo, são-no também em água.
Ficam cozidas no interior e fritas por fora, são óptimas. É uma sugestão muito boa para pequenas porções de batatas, 2-3 pessoas, poupando-se muito óleo na fritura e ganhando no sabor. Acompanharam a carne de Porco com Mirtilos vermelhos ou Arandos da receita anterior.


Fiz assim...

INGREDIENTES
batatas cortadas em palitos grossos
3 colheres (sopa) de água
2 colheres (sopa) de azeite
sal
pimenta


PREPARAÇÃO
Numa frigideira anti-aderente colocar a água, o azeite e temperar de sal e pimenta. Juntar as batatas e espalhá-las no fundo da frigideira.
Deixar cozinhar em lume brando, com a frigideira tapada, virando as batatas quando já louras de um dos lados.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Não adicionar mais água ou gordura mesmo que se pense que seja necessário;
- Colocar as batatas no fundo da frigideira evitando sobreposição;
- Virar as batatas apenas quando necessário, pois como elas vão cozendo no vapor, ficam moles e partem-se mais facilmente.

quinta-feira, 28 de Agosto de 2008

PORCO COM MIRTILOS VERMELHOS OU ARANDOS

Algo diferente para uma refeição do dia-a-dia. O meu gosto pelo agri-doce e de juntar fruta a pratos salgados ditou esta sugestão tão simples quanto magnífica.

Peguei numas febras (bifes de porco), cortei-as como de fosse para strogonoff, alourei-as, acrescrentei o doce de mirtilos vermelhos e já está. Depois fritei umas batatas de um modo especial - Batatas fritas caseiras de frigideira ou Batatas à Mrs. Anna - e um almoço bem apetitoso acaba de ser preparado.


Acompanhei com um sumo de mirtilos vermelhos bem fresco.


Fiz assim...


INGREDIENTES
3 febras médias de porco
1 fio de azeite
2 dentes de alho
1 folha louro
3 colheres (sopa) de doce de mirtilos vermelhos


batatas fritas

PREPARAÇÃO
Cortar a carne de porco em tiras finas, como se fosse para strogonoff. Alourar a carne, numa frigideira anti-aderente, com um fio de azeite, alho picado e a folha de louro.
Deixar fritar para tornar a carne mais crocante e lhe soltar a gordura.
Escorrer a gordura e juntar o doce.
Mexer e retirar do lume.

Servir acompanhado com batata frita.
Serve 2 pessoas.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Alourando a carne em pouca gordura permite que depois se retire não só o azeite adicionado bem como a gordura da carne de porco que se soltou.

MIRTILOS VERMELHOS - ARANDOS - LINGONBERRY

Estas bagas vermelhas de Vaccinium vitis-idaea podem ser designadas por lingonberry, cowberry, foxberry, cranberry de montanha, red whortleberry, lowbush cranberry, partridgeberry ou redberry.
Pertencem à família Ericaceae que possui 24 géneros e dentro destes, o género Vaccinium possui 450 espécies.

São nativas das florestas da Eurásia e América do Norte, de climas temperados a sub-árticos, onde são muito populares, como no Canadá, EUA, Suécia, Dinamarca...

Por cá chamamos-lhes Mirtilos vermelhos ou Arandos.



Ainda não pensei na aplicação da minha mini-colheita, mas à semelhança da mini-colheita de mirtilos com que fiz os Blueberry Muffins, estes arandos poderão ter o mesmo destino.

Sou fã destas e de outras bagas de sabor acre, combinam tanto em pratos salgados como em doce.

Em Portugal e noutros países do sul da Europa, os mirtilos vermelhos foram popularizados pela cadeia sueca IKEA, que na sua loja sueca vende alguns produtos alimentares que incluem estas bagas.

Na foto (da esquerda para a direita): mistura para pão, doce e concentrado para sumo.

terça-feira, 26 de Agosto de 2008

CAIPIRINHA DE MORANGO - MORANGUINHA

Os morangos estão a terminar, mas antes deles irem de vez, este ano, celebramos a sua presença no nosso verão. (para além de a podemos celebrar com lima numa tradicional caipirinha!)

As quantidades variam com o gosto de cada um, mais ou menos doce, mais ou menos alcoólico, mas sempre muito freco.

Com cachaça ou vodka, duas formas óptimas de comer morangos.

Tchim tchim!

Fiz assim...

INGREDIENTES
10 morangos maduros
3 colheres (sopa) de açúcar (ou a gosto)
25ml de cachaça (aguardente de cana) ou vodka
Gelo (3/4 do copo)

PREPARAÇÃO
Com o pilão esmagam-se os morangos, junta-se o açúcar e esmaga-se um pouco mais. Junta-se a cachaça e mexe-se.
Num copo largo coloca-se gelo (picado ou não), cerca de 3/4 do copo, e a mistura anterior.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- É preferível beber sem palhinha, pois a polpa do morango, que devemo também comer, poderá entupir mesmo as palhas mais largas;
- Pode-se juntar uma pequena folha de hortelã quando se esmagam os morangos.

segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

PÃO 3 ÀS

Usei a farinha 3 Às neste pão. A farinha 3 Às é uma mistura de farinha de araruta, alfarroba e arroz. A combinação destas farinhas pode ser feita em casa.
Para a próxima farei o Pão 4 Às adicionando farinha de aveia.

Fica um pão escuro e muito aromático. A farinha de alfarroba dá-le a cor e o sabor achocolatado.

O conteúdo em glúten é menor neste pão, do que noutros, por isso a côdea fica rasgada, o que lhe dá um ar rústico.

Pode ser feito na MFP ou no forno.

Fiz assim...

PÃO 3 ÀS


INGREDIENTES
320ml de água morna
1,5 colher (chá) de fermento seco ou 15g de fermento fresco
1 colher (sopa) de açúcar ou um xarope de cereal
450g de farinha de trigo
250g de farinha 3 às (araruta, alfarroba e arroz)
1 colher (chá) de sal fino


PREPARAÇÃO
Colocar na forma da MFP a água morna, dissolver nela o fermento e juntar os restantes ingredientes.
Programar no ciclo "Ultra-rápido II - 58min." ou no ciclo "Normal - 3h" ou "Sandes - 3h".

Retirar da forma e deixar arrefecer numa grelha.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- O ponto desta massa é um pouco mais consistente que noutras;
- A farinha 3 Às pode ser substituída pelas respectivas farinhas da sua composição, ou na mesma proporção 1:1:1 ou então 2:1:2, araruta, alfarroba e arroz. P.e. para 250g de farinha 3 às pode ser usada 100g de farinha de araruta, 50g de alfarroba e 100g de farinha de arroz. Um pouco menos de farinha de alfarroba porque esta vai dominar, mas isso depende do gosto de cada um.

domingo, 24 de Agosto de 2008

PÃO DE ÁGUA DE MISTURA - NO-KNEAD BREAD

Depois do sucesso do Pão de água, fiz este de mistura. Pão de mistura é o nome vulgar para um pão de massa de trigo e centeio. Usei a receita do Pão de água substituindo metade da farinha de trigo por centeio.
O procedimento que agora faço é ainda mais simples do que no Pão de água. Quem ainda não fez este pão está na hora de experimentar, e não é preciso MFP, aliás, se for assado na MFP não ficará com o mesmo miolo e côdea.

A crosta fina e estaladiça e o miolo aberto, fresco, macio. É um pão muito bom.
Pode ser fatiado e congelado que depois de descongelado não perde a textura.


O tempo de levedar pode assustar: 12-18h, mas cada fatia vale esse tempo. E para além disso é relaxante, ficar sem fazer nada em casa durante 12h a ver a massa crescer, lol. É óbvio que estou a descansar porque o tempo que leva a amassar é 1-2min. e depois a massa fica esquecida num canto da cozinha.
O pão fica como se fosse cozido num forno de lenha. Fica delicioso.

Fiz assim...

PÃO DE ÁGUA DE MISTURA - NO-KNEAD BREAD


INGREDIENTES
1½ chávenas / 215g de farinha de trigo T65
1½ chávenas / 215g de farinha de centeio
1½ chávenas / 345g de água
¼ colher (chá) / 1g de fermento seco (só 1g!) / 5g de fermento padeiro fresco
1¼ colher (chá) / 10g de sal


PREPARAÇÃO
Numa tigela colocar as farinhas, o sal e o fermento seco e misturar. Adicionar a água e mexer à mão ou com uma colher apenas para envolver, 30segundos-1min.. Com um rapa limpa-se, com movimentos verticais de cima para baixo, a tigela, juntando a massa.
Cobre-se com um pano para que fique arejado, e deixa-se em repouso 12-18h.

2h antes de assar, mexe-se a massa, na tigela, com uma colher de pão, ou rapa, para envolver bem e deixa-se repousar tapada, essas 2h.

Aquece-se o forno no máximo e coloca-se dentro um pirex com tampa, ou uma panela de ferro ou de barro/loiça.
Retira-se com cuidado a panela e coloca-se a massa dentro, sem grandes amassos. Põe-se a tampa e deixa-se cozer 30min., retira-se a tampa e deixa-se cozer mais 15-30min..
Retira-se do forno com cuidado e deixa-se arrefecer.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Nunca faço uma receita só, duplico as quantidades e asso 2 pães;
- Uso um pirex redondo com tampa e um oval também com tampa, ambos Marinex.

sexta-feira, 22 de Agosto de 2008

POWER WAFFLES

O nome é de uma receita de waffles servida no The Cafe da Ross School, fazendo parte de um programa de educação alimentar, dessa escola. Vi neste site e veio publicada num número da revista publicada pela Slow Food.

Ao contrário das waffles de farinhas brancas, estas são muito robustas, ricas em hidratos de carbono e fibras, especialmente concebidas para pequeno-almoço, substituindo o pão na refeição mais importante do dia.

Na sua elaboração para além do trigo convencional entra o trigo sarraceno e flocos aveia. Parecem e sabem, por isso, a waffles integrais. Não são doces, acompanham muito bem uma fatia de queijo curado ou fresco ou mesmo uma compota ou marmelada/goiabada.
A massa é levedada, faz-se à noite e no dia seguinte apenas se acrescenta a manteiga e as claras batidas, mas não em castelo (não leva gemas). É bom, pois de manhã não é preciso grandes misturas.

Pela natureza das farinhas que leva, estas waffles devem ser bem cozinhadas, até ficarem de cor castanha homogénea. Caso contrário a massa tornar-se-á muito densa.
No dia seguinte gosto destas waffles torradas directamente na torradeira, como se de uma fatia de pão se tratasse.

Fiz assim...

POWER WAFFLES


INGREDIENTES
1 1/2 chávenas (3.5dl) de leite meio-gordo
3/4 chávena de gengibre cristalizado para aromatizar (não usei)
3 colheres (sopa) de açúcar
1/2 colher (café) de fermento biológico seco
1 1/4 chávenas (190g) de farinha de trigo
3/4 chávena (135g) de farinha de trigo sarraceno
150 g de flocos de aveia
1 colher (sopa) de canela (usei colher de chá)
1/2 colher (chá) de fermento em pó

2 claras (ou mais alguma se tiver para gastar)
1/3 chávena (80g) de manteiga derretida

PREPARAÇÃO
Na véspera:
Amornar metade do leite e dissolver o fermento biológico.
Picar o gengibre e juntar à outra metade do leite que deverá estar bem quente; deixar em infusão 10min..
Misturar os dois leites.
Juntar todos os ingredientes secos numa tigela e adicionar os líquidos. Mexer e reservar até ao dia seguinte tapado com película aderente.

No dia:
Aquecer a máquina/ferro das waffles.
Derreter a manteiga e juntar 3/4 à mistura levedada. Mexer bem até estar toda incorporada.
Juntar as claras levemente batidas à massa e por fim o resto da manteiga.

Colocar uma boa colherada de massa na forma das waffles e deixar cozer até ficarem castanhas.
Estarão prontas quando se tiram da forma e oferecem resistência ao toque forte.
Arrefecer numa grelha.

Rende 8 waffles.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- O gengibre cristalizado pode ser substituído por 1 colher (sopa) de mel ou xarope de milho, arroz, mandioca, reduzindo (ou não) 1 colher (sopa) de açúcar à massa;
- Não usando gengibre, não é necessário deixar o leite em infusão, logo amorna-se a totalidade para dissolver o fermento.

quinta-feira, 21 de Agosto de 2008

FRUTA EM CROSTA DE BOLO

Esta é uma forma deliciosa de comer fruta. Faço-a essencialmente para renovar a fruteira.
O ingrediente principal é a fruta, desde maçã, pêra, banana, alperce, pêssego, ananás... Uso cerca de 750g de fruta descascada. A massa, por cima, serve para unir um pouco a fruta cortada. Uso uma massa antiga de bolo de maçã, muito saborosa.

É uma sobremesa óptima para comer quente ou fria, depois do almoço ou jantar ou para um lanche. Aqui em casa não dura assim tanto. Se for deixada ao alcance dos braços mais pequenos, na mesa da cozinha, é só ver o acumular de colheres em volta da taça, é uma autêntica sobremesa comunitária.

No dia seguinte, se ainda sobrar, os sucos ficarão mais espessos e a tarte mais consistente.

Esta sugestão passa por 3 fases: fruta, aromas e massa.

Os aromas devem ser os da preferência individual, eu gosto do aroma de citrinos, vinho do porto e alguma canela, para assim sentir o aroma frutado. Mas pode ser usado qualquer especiaria, mel, ervas aromáticas...

Fiz assim...

FRUTA EM CROSTA DE BOLO



INGREDIENTES
750g de fruta descascada
1 limão (raspa e 2 colheres (sopa) de sumo)
2 colheres (sopa) de vinho do porto
1 colher (chá) de canela
100g de manteiga
100g de açúcar
2 ovos (gemas + claras)
150g de farinha de trigo

PREPARAÇÃO
Colocar as frutas descascadas e fatiadas ou em cubos, numa taça funda que possa ir ao forno.
Adicionar a raspa fina do limão, 2 colheres do sumo do limão, o vinho do porto e a canela.
Envolver a fruta e deixar macerar um pouco. Amontoar um pouco mais a fruta no centro.

Entretanto faz-se a massa.
Derreter a manteiga numa tigela que possa ir ao microondas, juntar o açúcar e bater até esbranquiçar.
Juntar as gemas e continuar a bater.
Adicionar a farinha, envolvendo sem bater.
Bater as claras em castelo e juntar primeiro metade à massa e envolver e depois as restantes.
Colocar a massa por cima da fruta e com o próprio rapa, empurrar um pouco a massa entre a fruta.

Levar ao forno quente, 200ºC até a massa ficar dourada e os sucos borbulharem junto à taça.
Retirar e deixar arrefecer.





NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Se no fim da fruta macerar se formar muito líquido, retirar um pouco;
- Se as frutas usadas forem ricas em sucos é necessário adicionar 1 colher (sopa) de maizena ou melhor, fécula de batata, à fruta, envolvendo bem para que os sucos fiquem espessos;
- Convém usar uma tigela funda pois se for cheia até às margens os sucos ao borbulhar sairão e queimarão no forno.

quarta-feira, 20 de Agosto de 2008

LASANHA DE SOJA COM MILHO E MANJERICÃO

É a lasanha vegetariana que mais agrada aqui em casa. Soja, milho e manjericão. De vez em quando está no forno e depois no prato. Desta vez quem ditou a sua elaboração foi um belo molho de manjericão que por aqui tinha aparecido.

Também gostamos da combinação de soja, requeijão (ou ricota), espinafres e pinhões, mas esta deixamos para rechear cannelonis.

A soja é nutritiva, sem gorduras e colesterol, rica em proteínas, fibras, blá, blá, blá....

De vez em quando fazemos lasanha, cannelonis, esparguete à bolonhesa, empadão, jardineira... com soja, sem dizer aos convidados o que estão a comer. Só no fim da refeição, e de receber os elogios, é desvendado que afinal não era carne mas sim... soja. Não sei se é por educação ou por estarem de barriga cheia, que todos dizem: "Que bom, parecia mesmo carne!".

Esta lasanha pode ser feita com carne em vez de soja, ou com metade de cada, aliás a preparação do ragu (molho, neste caso com soja, tomate e temperos) de soja é a mesma que para a carne (esta demora mais tempo a cozinhar). E é a mesma para a carne à bolonhesa. Pode ser feito em grande quantidade (tipo 1-1,5kg de carne de vaca ou 0.5kg de soja) e congelado o que não for preciso. Outro dia é só cozer uma massa, levar ao microondas a carne/soja picada, polvilhar com queijo (muito importante) e faz-se um prato num instante.

Dantes não gostava de fazer lasanha por causa de ter de cozer as massas. Era uma panela/tacho grande e só podia colocar 1-2 folhas de cada vez para não colarem e depois tinha de as deixar escorrer num pano húmido para não agarrarem. Era uma grande trabalheira. Agora com as massas sem precisar de pré-cozedura é um instante, é só deixar o molho béchamel um pouco menos consistente para que a massa coza no forno. Et voilá!

Fiz assim...

LASANHA DE SOJA COM MILHO E MANJERICÃO


INGREDIENTES
Para o ragu:
250g de soja em granulado fino
azeite q.b.
2 cebolas médias
4 dentes de alho
1 folha de louro
1 malagueta
sal q.b.
3dl de vinho branco
3dl de água quente
1 colher (chá) de pimentão doce em pó
1 colher (sopa) de concentrado de tomate
3 tomates médios maduros
ramo de manjericão

Molho béchamel:
100g de manteiga
50g de farinha de trigo
1l de leite quente
noz moscada
sal
pimenta

massa lasanha que não precise de cozedura
milho doce cozido
queijo ralado (mozzarela, parmesão, gouda, emmental ou outro)


PREPARAÇÃO
Demolhar a soja em água, numa tigela/bacia grande, pois a soja seca absorve muita água, conforme as inidcações da embalagem.
Escorrer a soja.
Num tacho levar o azeite ao lume e acrescentar a cebola e os alhos picados. Deixar alourar. Juntar o louro e a malagueta e depois a soja. Mexer. Juntar o vinho, a água, o sal, o pimentão e o concentrado de tomate.
Entretanto, tritura-se com a varinha mágica os tomates maduros e acrescentam-se à soja. Pica-se o manjericão (os caules picam-se bem finos) e acrescenta-se.
Deixa-se cozinhar 15min.. Retira-se a malagueta e a folha de louro e reserva-se.

Prepara-se o molho béchamel, levando num tacho ao lume a manteiga para derreter. Junta-se a farinha de uma vez e mexe-se com a colher de pau até absorver a gordura. Vai-se juntando o leite aos poucos, mexendo sempre para dissolver a farinha. Se engrumar, há sempre a varinha mágica (daí ela ser mágica).

Para a montagem, coloca-se num pirex (o meu tem 23x28cm) um pouco de molho béchamel, depois as massas, depois o ragu de soja, milho, queijo ralado, mais molho béchamel, massa, ragu, milho queijo... termina-se com molho béchamel salpicado com queijo ralado.
Leva-se ao forno quente até borbulhar alguns minutos.

Deixa-se arrefecer um pouco.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Costumo demolhar a soja do jantar para o almoço, mas na embalagem diz que é suficiente 30min.. Costumo mudar a água da soja 1 vez, antes de deitar;
- A lasanha ficha mais consistente se se deixar descansar algum tempo depois de ir ao forno. É um prato que pode ser feito na noite anterior ou a meio da manhã, fica a descansar e depois leva-se novamente ao forno.

segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

PAVÊ DE MARACUJÁ E CHOCOLATE

O ácido do maracujá, o aroma, a cor da polpa, tudo no maracujá me atrai. É a fruta da paixão - passionfruit. Até a casca, seca e moída em pó é muito boa (dizem) para a diabetes (evita a administração de insulina), incluída em sopas, bolos ou no pão.

Tinha em lista 2 receitas com maracujá, esta era uma delas. É óptima, fresca e com o sabor inconfundível de maracujá. Vi aqui e aqui.
Embora leve camadas de bolacha, esta ficará húmida e densa passando completamente despercebida.

Fiz assim...

INGREDIENTES
2 pacotes de bolachas Short Cake Triunfo (2 x 185g)
200g de chocolate de leite partido em quadradinhos (cada cubo em 4)

Creme de maracujá:
1 lata de leite condensado
200ml de natas
1/2 chávena de sumo de maracujá concentrado (125ml)
3 folhas de gelatina

Chantilly:
400ml de natas
4 colheres (sopa) de açúcar

Cobertura de maracujá:
1/2 chávena de sumo de maracujá concentrado (125ml)
250g de açúcar
1/2 chávena de água (125ml)
2 colheres (sopa) de maizena
polpa de 1 maracujá grande com as sementes

PREPARAÇÃO
Preparar o creme, demolhando as gelatinas em água fria e dissolvendo-a escorrida em 2 colheres (sopa) do sumo de maracujá bem quente.
Misturar o leite condensado com as natas, o sumo e a gelatina. Reservar no frio.

Preparar o chantily, batendo as natas na batedeira e adicionar o açúcar. Reservar no frio.

Preparar a cobertura, misturando numa caçarola a maizena na água fria e de seguida o açúcar e o sumo de maracujá. Levar ao lume até engrossar. Juntar a polpa e retirar. Deixar arrefecer.

Fazer a montagem num pirex largo (o meu tem 23x28cm) começando com uma camada fina de chantily, depois bolachas, creme de maracujá, cubinhos de chocolate, chantily, e repetir, bolachas, creme, chocolate, chantily e a cobertura. Alisar e levar ao frio algumas horas até servir.
NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- A bolacha maria não é a indicada, demasiada fina e macia, desfazer-se-ia rapidamente;
- O sumo indicado será o concentrado, tipo Brasfruta vendido em saquinhos congelados, pois o pavê ficará com um aroma mais intenso, em último caso o Compal Fresh maracujá;
- Na cobertura usei 125g de polpa de maracujá congelada, 1/2 embalagem (comprei no Continente).

domingo, 17 de Agosto de 2008

WAFFLES LÊVEDOS

Não foi para o pequeno-almoço, foi para o lanche, mas foi igualmente saboroso.

Há muitas receitas de waffles, cada um de nós tem a sua, desde a tradicional: 250g de farinha, 250g de manteiga, 250g de açúcar e 4 ovos (claras em castelo), às receitas com especiarias, ervas, aromas, frutas e as lêvedas. Estas últimas levam fermento fresco e por isso demoram um pouco mais para levedar.
Qualquer das receitas pode ser feita doce ou salgada. Se for salgada, retira-se o açúcar, e dará uma boa entrada.

Quentes ou frios, são como os crepes e as panquecas, os recheios é ao desejo do cliente. Hoje aqui o cliente escolheu Nutella e queijo derretido no microondas.

Fiz assim...

WAFFLES LÊVEDOS


INGREDIENTES
200ml de água morna
1 colher (chá) de fermento biológico seco
50g de açúcar
250g de farinha de trigo
1 ovo
25g de manteiga derretida

PREPARAÇÃO
Dissolver o fermento na água, juntar o açúcar e a farinha. Mexer bem com uma colher de pau. Deixar levedar 30min.-1h.

Pré-aquecer a máquina de waffles.
Mexer a massa e juntar o ovo e a manteiga. Bater bem.
Encher a forma e deixar alourar, se levantar a tampa antes dos primeiros minutos.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Aromatizar com extracto de baunilha (opcional);
- Se acompanhar estes waffles com doces e/ou compotas reduzir para metade a quantidade de açúcar.

sexta-feira, 15 de Agosto de 2008

TARTE DE PÊSSEGO COM CARDAMOMO - PEACH PIE WITH CARDAMOM

Adoro pies.
Em português o termo tarte tanto significa tart como pie.
Não fazemos diferença entre as tradicionais tartes, com uma base de massa e um recheio visual doce ou salgado - tart, e as inglesas (e depois americanas) que são fechadas por cima, com massa igual à de baixo - pie.

Gosto das pies por 3 motivos: o facto do recheio estar escondido é uma surpresa; são mais fáceis de fazer porque não há a preocupação da disposição atraente das frutas ou outros, a massa cobre e já está; e para além disso o sabor. Pelo facto de ser tapada, o aroma das frutas fica mais preservado.

Esta sugestão da dupla pêssego e cardamomo estava na gaveta há muito, tinha visto uma receita no site Bon Appétit (e fiquei com bom apetite) e também no Epicurious, vi receita diferente no Tachos de Ensaios que foi testada nas Receitas da Filipa. Segui a receita destes dois últimos blogs.


Esta tarte pode ser feita com pêssegos frescos ou de calda, com casca (como nos dois primeiros blogs) ou sem ela.

O cardamomo faz uma boa dupla com o pêssego e torna esta sobremesa num requinte gourmet.
Para final de refeição sugiro que se acompanhe uma fatia desta tarte com uma bola de gelado de baunilha.

Fiz assim...

TARTE DE PÊSSEGOS COM CARDAMOMO - PEACH PIE WITH CARDAMOM

INGREDIENTES
Para a massa:
450g de farinha
5 colheres (sopa) de açúcar
pitada de sal
85g de manteiga gelada
50g de margarina gelada
200ml de natas

Para o recheio:
200g de açúcar
100g de farinha
sumo de ½ limão
1 colher (chá) de canela em pó
1 colher (café) de sementes moídas de cardamomo
500g de pêssegos (3-4 ou 1 lata grande)
30g de manteiga cortada em pedacinhos
1 gema para pincelar
mistura de açúcar e canela para polvilhar


PREPARAÇÃO
Misturar, numa tigela, a farinha, o açúcar e o sal. Adicionar as gorduras e amassar com o batedor de massas areadas ou com as pontas dos dedos, até ficar com uma consistência de crumble (areada).
Adicionar as natas, amassar à mão, até ter se obter uma massa homogénea, fazer uma bola e envolver em película aderente. Reservar no frigorífico durante 1 hora.

Se usar pêssegos frescos:
Fazer um golpe em cruz na pele dos pêssegos e escaldá-los em água a ferver durante 1min., escorrer e mergulhar de imediato em água gelada. Retirar a pele dos pêssegos, cortá-los ao meio e retirar os respectivos caroços.

Pré-aquecer o forno a 200ºC.
Numa tigela misturar o açúcar, a farinha, o sumo de limão, a canela e o cardamomo.
Cortar os pêssegos em meias luas e colocá-los na mistura de açúcar e envolver delicadamente. Deixar repousar 10-15min. até se formar suco.
Dividir a massa em 2 partes: uma um pouco maior. Estender a massa maior, com o rolo, na pedra enfarinhada. Enfarinhar por cima a massa enrolá-la no rolo e desenrolar na forma para forrar a tarteira de fundo amovível ultrapassando um pouco as bordas.
Rechear. Dispor os pedacinhos de manteiga.
Estender a outra porção de massa e colocar por cima da tarte, de forma idêntica à anterior. Unir as bordas das duas massas com um feitio, para que fiquem bem unidas.
Pincelar com a gema, decorar com as sobras da massa, polvilhar com a mistura de açúcar e canela, e fazer alguns cortes para deixar escapar o vapor (ou colocar uma chaminé ao centro).

Levar ao forno durante +/- 45min., ou até ficar dourada. Se a tarte tostar muito depressa cobrir com papel de alumínio.
Deixar arrefecer e desenformar. Servir fria.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Usei pêssegos em calda, se usar pêssegos frescos, no recheio, aumente um pouco a quantidade de açúcar e reduza a de farinha pois os de calda libertam mais suco.

quarta-feira, 13 de Agosto de 2008

CHEESECAKE LIGHT DE MANGA

É verão, todos gostamos de sobremesas com fruta e de preferência com pouco açúcar.
A manga dá a cor do Sol a esta sobremesa não pecaminosa.

Este cheesecake tem sabor a Mousse de manga, pois os ingredientes são basicamente os mesmos, apenas leva queijo fresco batido (não é o tradicional queijo fresco, é aquele que parece iogurte) e é montada em forma com base de bolacha. A base não é a tradicional de bolacha maria e manteiga, esta foi feita com bolacha de água e sal, menos açúcar ainda.

Pode ser feito normalmente sem adoçante e com a clássica bolacha maria que realçará o sabor da manga.

Fiz assim...

CHEESECAKE LIGHT DE MANGA

Fiz assim...

INGREDIENTES
Para a base:
250g de bolacha cream cracker
100g manteiga amolecida

Para o creme:
5dl de queijo fresco batido magro Phoenicia
15g de adoçante Canderel (ou o equivalente a 150g de açúcar noutro adoçante)
2 iogurtes naturais magros
3dl de polpa de manga
7 folhas de gelatina
2 colheres (sopa) de sumo de limão

Para a cobertura
1.5dl de polpa de manga
1 folha de gelatina

PREPARAÇÃO
Num almofariz esmagar as bolachas até ficar tipo pão ralado. Misturar com a manteiga amolecida e colocar no fundo de uma forma de mola, forrada com papel vegetal. Calcar bem a bolacha.

Demolhar a gelatina em água fria, 5min..
Numa tigela grande, colocar o queijo e mexer, juntar o adoçante e os iogurtes. Bater com uma vara de arames para eliminar quaisquer grumos. Adicionar a polpa de manga, o sumo de limão e a gelatina (dissolvida num copo baixo com 2 colheres (sopa) de água fervente). Mexer bem.
Colocar por cima da base de bolacha e levar ao frigorífico para solidificar.

No fim do cheesecake estar no frio algum tempo...
Demolhar a gelatina em água fria, 5min. e dissolvê-la num copo baixo com 1 colher (sopa) de água fervente. Dissolver bem e juntar à polpa de manga.
Colocar por cima do cheesecake, espalhando uniformemente rodando a forma.

Deixar no frigorífico algumas horas, de preferência de 1 dia para o outro.

Na altura de desenformar, passar uma faca por dentro da forma, abrir a mola da forma e com a ajuda de uma espátula grande e fina, retirar o papel e colocar num prato de servir.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Para forrar o fundo da forma de mola com papel vegetal corta-se um pedaço de papel quadrado, maior que o diâmetro da forma, coloca-se por cima do fundo e fecha-se com o aro, ficando as sobras de papel do lado de fora (pode-se cortar o excesso);
- Pode-se substituir o queijo fresco batido magro Phoenicia por outro tipo Philadelphia Light, colocando 2 embalagens (2 x 200g) e retirando uma folha de gelatina;
- Escolher a lata de polpa de manga de 450g assim dá para o creme e cobertura. Se escolher a lata grande pode sempre congelar o que sobrar para outra sobremesa, batido ou outro;
- Enfeitar com fatias de manga em volta do prato.

sábado, 9 de Agosto de 2008

BARRITAS DE CEREAIS

Uma sugestão para um lanche na praia ou para comer a meio da manhã.
Barritas de cereais feitas com flocos de trigo, centeio, aveia, passas, nozes, sementes de girassol e sésamo, aos quais se podem juntar ainda avelãs, cajús, amendoins, alperces, figos, framboesas, mirtilos ou frutas desidratadas caseiras.

Para um ar mais sofisticado podem ser mergulhadas parcialmente, com a base em chocolate.

Permancem iguais se forem fechados em caixa hermética, durante meses, em lugar fresco. Podem ser guardados no frigorífico.


INGREDIENTES
300g de cereais muesli (flocos de aveia, centeio, trigo, passas)
100g de nozes picadas
1 colher (sopa) de sementes de sésamo
3 colheres (sopa) de sementes de girassol
2 colheres (sopa) de manteiga
2 ovos
1 colher (sopa) de mel
1 colher (chá) de extracto de baunilha
4 colheres (sopa) de geleia de milho

PREPARAÇÃO
Misturar os ingredientes secos.
Numa caçarola derreter ligeiramente a manteiga, acrescentar os ovos e bater com a vara de arame até espumar. Juntar o mel, a baunilha e a geleia. Mexer até levantar fervura. Misturar nos flocos. Envolver bem.
Colocar num tabuleiro forrado com papel vegetal, calcar bem os flocos e levar ao forno a 180ºC durante 15min..
Retirar do forno e com uma faca afiada cortar os flocos em tiras e cada tira em rectângulos regulares.
Levar novamente ao forno até ficar com a superfície dourada.
Retirar do forno e passar a faca pelos cortes. Deixar arrefecer 20min..
Desenformar.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- A mistura de flocos pode ser feita como mais agradar;
- A geleia de milho pode ser substituída por outra, como a de arroz, mandioca...

quinta-feira, 7 de Agosto de 2008

PÃO DOCE - O PÃO DOCE

Já fiz muitos pães, mas nenhum tinha sido comido em 20min.. Pois é, foi ao lanche e foi comido morno, foi só o tempo de arrefecer um pouco para poder ser agarrado para ser cortado. Eu, Pê, Rê e Bê comemo-lo, não sobrou migalha para contar história.

Amassado e assado na MFP é muito rápido, mas, assado no forno convencional fica ainda melhor pois poderá ter uma cobertura, com açúcar, mais extensa e outra forma. Pode ser tendido em pequenas bolas óptimas para um lanche.

Dentro dos pães doces que já fiz este fica diferente dos já aprovadíssimos: Pão de Leite e Pão de Leite Condensado, por isso lhe chamei simplesmente o Pão Doce.

Usei farinha Custard para lhe dar o toque especial.
A farinha Custard faz parte da minha infância, talvez tenha sido o primeiro ingrediente que eu comprei by my own para a despensa da cozinha da minha mãe.
Usei muitas vezes, nas mais variadíssimas ocasiões, desde para preparar o famoso Creme Custard, ou Custarda (semelhante a leite creme), quer para recheios de pães de ló, tartes e tortas, crepes, cobertura de gelados, ou outras situações, variando a sua consistência.
Sempre que abria o armário, lá estava o pacote. Os anos foram passando mas o pacote de farinha Custard nunca mudou o seu aspecto, ainda em solteiro mudei de cozinha e a farinha Custard esteve presente, depois de casado tive uma cozinha e na despesa, lá estava o pacote Custard, mudei novamente de cozinha e... Não preciso de dizer que não foi sempre o mesmo pacote, mas que dura, dura, tem 500g.
Por me ter sempre acompanhado e nunca me deixar ficar mal, é a ela, à farinha Custard, que dedico este pão.

A farinha Custard dá a cor amarela e um sabor abaunilhado característico. É um preparado instantâneo para fazer a sobremesa Creme Custard que é semelhante a leite creme, substituindo a receita tradicional feita com leite, gemas, açúcar, baunilha e maizena, e é muito versátil. É base de muitos molhos doces conhecidos como o Creme Inglês (anglaise), o Creme Bavarian ou o Crème Brûlée.

O interior deste pão é muito macio e muito saboroso. A miolo separa-se em camadas como se fosse de croissants. Não é muito doce, apenas o suficiente, é semelhante às tranças doces que se vendem por aí. Vale a pena ser testado.

Fiz assim...

PÃO DOCE - O PÃO DOCE



INGREDIENTES
200ml de leite morno
50ml de água morna
2 colheres (chá) de fermento seco ou equivalente
100g de açúcar
3 colheres (sopa) de leite em pó
2 colheres (sopa) de farinha custard
2 colheres (sopa) de margarina
500g de farinha T65

PREPARAÇÃO
Na MFP:
Pela ordem indicada, colocar na forma da MFP.
Seleccionar o programa "sandes", tamanho I. No final do 2.º amassar polvilhar o topo com açúcar.
Desligar a MFP 10-15min. antes de terminar o ciclo.


Pode-se optar por amassar na MFP e depois tender à mão o pão, como de indica a seguir.

À mão:
Numa tigela grande colocar os líquidos mornos e dissolver o fermento. Juntar de seguida todos os restantes ingredientes e amassar bem durante uns 15min. formando uma bola homogénea.
Deixar levedar 1.3h tapado com um pano em lugar aquecido. Pesar a massa, dividir o peso por 10 e separar bolinhas de massa com o peso respectivo. Tender bolas fechando-as em baixo com os dedos e colocar num tabuleiro forrado com papel vegetal.
Pincelar as bolinhas com água (pode ser gema ou leite) e salpicar com açúcar.
Cobrir com papel vegetal e um pano e deixar levedar 30min..
Levar ao forno a 200ºC durante 20min., sensivelmente, ou até ficarem douradas por cima.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Desligar antes de terminar o ciclo para que a côdea fique mais clara e mais macia;
- A farinha custard é essencial pelo sabor e pela cor. Encontra-se à venda nos hipermercados junto dos preparados instantâneos de gelatina, pudins e leite creme. Provavelmente poderá ser substituída por equivalente de preparado de leite creme em pó, mas nunca experimentei.

segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

PURÉ DE ESPINAFRES

Uma forma diferente de comer vegetais, é colorida, bonita e os garotos comem por todos estes motivos e por não envolver grandes mastigações.

A base é um puré de batata, tradicional ou desidratado (pó ou flocos), à qual lhe é adicionado um puré de vegetais, neste caso espinafres.
Para ser usado com o saco pasteleiro deverá ficar mais consistente.

Acompanhei este puré com maruca cozida, mas pode acompanhar carnes grelhadas. Neste caso pode-se adicionar ao puré um pouco de queijo ralado em pó.

Fiz assim...

PURÉ DE ESPINAFRES


INGREDIENTES
puré de batata (batatas cozidas, leite quente, sal, pimenta, noz moscada, sumo limão)
espinafres cozidos
sal
pimenta
noz moscada

PREPARAÇÃO
Preparar o puré de batatas um pouco mais consistente que o normal.
Triturar, com a varinha mágica, os espinafres cozidos e escorridos num pouco de leite. Juntar os purés e temperar bem com noz moscada.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Este puré pode ser feito substituindo os espinafres por cenouras cozidas, brócolos ou feijão verde, como no molho de feijão verde para tortellini;
- O puré de batata deverá ficar um pouco mais consistente para depois ficar no ponto quando se adicionar os espinafres.

domingo, 3 de Agosto de 2008

OMELETES DE BATATA / CEBOLA / ESPARGUETE

Gosto de omeletes. As minhas preferidas são as de batata e as de cebola. Claro que não posso esquecer a inigualável omelete de chouriço, comida no pão. O chouriço frito sem gordura numa frigideira anti-aderente, solta a gordura, fica crocante e os ovos ficam muito aromáticos.

Costumo fazer omelete de batata quando sobra batatas cozidas de outra refeição.
As sugestões de hoje são:
- Omelete de batata e cebola, com algum feijão verde e cenoura - sobras de uma salada fria;
- Omelete de esparguete e chouriço - sobras de esparguete de acompanhamento.

Qualquer ingrediente fica bem numa omelete, das sofisticadas com camarão às rústicas de cebola ou de aproveitamento de frango de churrasco (desfiado - faço o Frango à Brás), de peixe cozido ou legumes.

Para refeição principal, ligeira, lanche ou piquenique.

Fiz assim...

OMELETES DE BATATA / CEBOLA / ESPARGUETE


INGREDIENTES
Omeletes para 3 pessoas:
4 ovos
1 cebola grande cortada às rodelas
4 batatas cozidas
outros legumes: cenoura, feijão verde, ervilhas...
salsa picada
sal

4 ovos
1 tigela de esparguete cozido
1 chouriço pequeno ou linguiça picante
salsa picada (opção)
sal


PREPARAÇÃO
Para a omelete de cebola, juntar um fio de azeite numa frigideira e fritar em lume brando/baixo a cebola até esta ficar amelecida. Juntar as batatas cortadas em cubos ou rodelas, e outros legumes. Deixar fritar levemente todos os legumes. Juntar a salsa picada e os ovos previamente batidos com sal. Mexer, aconchegar os lados com a colher de pau e deixar alourar de um dos lados. Virar com ajuda de um prato, testo liso ou vira omeletes e deixar alourar do outro lado.

Para a omelete de chouriço, fritar numa frigideira anti-aderente, sem óleo, as rodelas finas de chouriço. Assim que soltar a gordura (pode ser necessário remover alguma em excesso) juntar o esparguete e envolver na gordura. Juntar a salsa picada e os ovos previamente batidos com sal. Mexer, aconchegar os lados com a colher de pau e deixar alourar de um dos lados. Virar com ajuda de um prato, testo liso ou vira omeletes e deixar alourar do outro lado.


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Pode-se juntar 1 colher (chá) de fermento royal às omeletes mas eu prefiro sem.

sábado, 2 de Agosto de 2008

BAVAROISE DE MORANGOS

É uma sobremesa clássica. De morangos, ananás, pêssego…, sempre fresca.

Antigamente faziam-se estes sabores porque eram aqueles que existiam nas saquetas de gelatinas. Hoje existem todos os sabores e mais alguns, desde framboesa, laranja, limão, manga, tuti-fruti, a frutos silvestres, maracujá, chocolate, chá verde, cenoura…

Pode-se fazer teoricamente com qualquer fruta em puré e se não existir esse sabor de gelatina, usam-se as folhas (ou pó) de gelatina sem sabor. Neste caso é necessário acrescentar açúcar ou leite condensado.
Quando se faz com ananás usa-se o de lata, pois o fresco tem enzimas que quebram as ligações da gelatina e esta não prende.

Os ingredientes são básicos, puré de fruta, gelatina e natas ou iogurte. Há versões com gemas e outras com leite condensado.

Fiz assim…

BAVAROISE DE MORANGOS


INGREDIENTES
2 saquetas de gelatina de morango
300ml de água a ferver
500g de morangos / 500ml de puré de morangos
200ml de natas (ou 2 iogurtes de 125ml = 250ml)

PREPARAÇÃO
Dissolver muito bem as gelatinas na água a ferver. Reduzir os morangos a puré e juntar nas gelatinas. Bater as natas e juntar ao preparado anterior.
Verter para uma forma previamente passada por água fria e escorrida.
Levar ao frigorífico algumas horas.
Para desenformar molhar a forma em água quente durante alguns segundos.


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Pode-se adicionar 2 colheres (sopa) de licor de morango à mistura ainda quente;
- A ideia é obter 1l de líquidos para serem correctamente gelificados. Se o puré de 500g de morangos der menos de 500ml então pode-se acrescentar o equivalente em água nas gelatinas. Se forem usados iogurtes com um volume de 250ml então coloca-se apenas 2,5dl de água quente nas gelatinas.

sexta-feira, 1 de Agosto de 2008

DOCE DE CASCAS DE MELANCIA

É verão e apetecem as curcubitáceas: melancia, melão, meloa e também o pepino.
A melancia é linda, atrai qualquer um pelo seu vermelho vivo. A tradicional, porque agora também há variedades de polpa amarela e outras sem sementes em que estas são brancas e macias, quase nem se dá por elas.
Bem fresca acaba com o calor e mata a sede. Por conter 90% de água deve ser comida entre as refeições, já que depois delas acaba por levar uma grande quantidade de água ao estômago e atrasa a digestão (aumenta o volume do bolo e por isso diminui a acidez no estômago).

É quase espontânea no Brasil, onde o dia 26 de Novembro é o dia da Melancia!

Comemos a melancia e o que é que sobra? A casca, pois é. Por isso esta sugestão de aproveitamento destas cascas.
Comemos a melancia no verão e fazemos um doce para ser comido no inverno: melancia todo o ano.

Cuidados a ter antes de comer a melancia, se quisermos aproveitar as cascas para o doce:
- lavar a melancia antes de a abrir (tal como o melão, todos apertam a fruta para ver como está por dentro);
- separar a polpa que comemos com uma faca, para não fazer o doce com casca que foi separada à dentada, lol.

Vale a pena tentar, fica bom.

Fiz assim...

DOCE DE CASCAS DE MELANCIA




INGREDIENTES
cascas de melancia
açúcar branco + amarelo na proporção de 80% do peso das cascas
1 pau de canela
1 extremedidade de hortelã-pimenta ou hortelã

PREPARAÇÃO
Retirar a quase totalidade da casca verde da melancia, com uma faca ou ralador, ficando apenas com a parte branca e alguma vermelha.
Colocar numa panela as cascas e o açúcar, mexer e deixar derreter um pouco para formar caldo.
Levar ao lume brando e deixar engrossar até atingir o ponto de fio (103ºC).
Retirar o pau de canela e a hortelã.
Triturar com a varinha mágica, a gosto, e deixar ferver mais 2min..

Colocar em frascos lavados e esterilizados.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Para 600g de cascas usar 80% de açúcar deste peso = 0.8x600g = 480g de açúcar (metade branco, metade amarelo);
- Pode-se usar só açúcar branco;
- Querendo-se um doce mais espesso é só deixar ferver até atingir o ponto de cabelo (106ºC).