sexta-feira, 31 de outubro de 2014

BROÍNHAS DE BATATA PARA O DIA DO BOLINHO

Dos Santos até ao Natal sem esquecer o S. Martinho.
É o período do ano que mais gosto ou não fosse eu um filho do outono.

O dia do Bolinho traz-me muitas e boas recordações.
Percorrer as ruas da vila, com amigos num feriado, pela manhã, com uma saca de pano a pedir "Pão por Deus", nunca se esquece.
Já aqui mencionei, noutros bolinhos deste dia (com batata doce, abóbora, farinha de milho...), que os vizinhos, conhecidos ou nem por isso nos davam essencialmente o que tinham de produção própria, frutos secos - nozes, castanhas, amêndoas - mas também, o bolinho, maçãs e um ou outro rebuçado e quando eram familiares, esperavam que os outros meninos dessem meia volta e acrescentavam aos nossos sacos... um chocolate e umas moedas :)
Hoje, por experiência própria, aqui em casa, os miúdos chegam à hora do almoço (para as contagens) com carregamentos de rebuçados, gomas, chocolates e apenas alguns bolinhos. Mudam-se os tempos...
De qualquer das formas nunca hesitei em incentivar os meus filhos a perpetuar esta tradição. Alguém (sábio) me disse um dia, a função de um pai é criar memórias nos seus filhos, não hesites em boas criar memórias aos teus.

Compreendo que comprar uns sacos de rebuçados e de gomas no supermercado é bastante mais simples do que fazer umas broínhas em casa, mas... não é a mesma coisa. Ao fazer-se o bolinho estamos a dar algo de nós. Estamos a pensar em quem o vai receber, como o vai receber e a alegria será tanta para quem recebe como (maior ainda) para quem dá! O espírito da solidariedade impera neste dia.
Para além disso, conseguimos trabalhar em equipa cá em casa, cada um faz o que mais gosta, há os que misturam porque adoram fazer nuvens de farinha, os que quebram as nozes porque adoram martelos e violência, os que partem os ovos porque simplesmente adoram partir coisas, os que amassam (eu) e os que... não fazem nada, mas vendo bem, muito faz quem não atrapalha :)

Antigamente, o dia do Bolinho, seria um dia em que as famílias mais pobres enviavam as crianças para pedir esmola e comida nas casas das famílias mais abastadas (e generosas). Era e é, o dia de Todos os Santos e neste dia todos queriam dar algo, talvez para se redimir dos pecados cometidos ao longo do ano, uma forma de penitência.
O tempo foi passando e hoje as crianças continuam de porta em porta, não pela necessidade mas pelas guloseimas e para terem desculpa de comer umas gomas ao longo das próximas semanas.
Aqui por casa é normal, nessa semana, os garotos levarem na mochilas muitos desses doces e partilhar na escola. Vendo bem, partilham e reduzem o consumo de açúcar.

As broínhas de hoje são macias e saborosas.
Os aromas da erva-doce e da canela são quentes e outonais. Podem ser adaptados aos gosto de cada um, eliminando ou acentuando um pouco mais, mas prefiro-os assim, mais subtis, para que agradem a todos. A quantidade e tipo de frutos secos também é um pouco ao gosto de cada um.

Bom dia do Bolinho!

Fiz assim...

BROÍNHAS DE BATATA PARA O DIA DO BOLINHO


INGREDIENTES
Rende 70 broínhas moldados com colher de sopa bem cheia
Massa:
2kg de farinha de trigo T65
1,5kg de batata descascada
1-1.2kg de açúcar
75g de fermento em pó (tipo royal)
150g de margarina
6 ovos
600-750ml de leite ou água
raspa de 1 limão
1 colher (sopa) de erva-doce moída
1/2 colher (sopa) de canela moída

Frutas:
250g de sultanas
250g de nozes partidas grosseiramente
250g de miolo de amêndoa com pele
3 colheres (sopa) de farinha de trigo T65

PREPARAÇÃO
Numa panela cozer as batatas em água e sal.
Escorrer a água e reduzir a puré (usei o pé especial para purés da varinha mágica) na própria panela.
Reservar até arrefecer.

No fim do puré de batata frio, misturar na panela os ovos batidos, a margarina derretida e 600ml de leite.

Num alguidar grande envolver a farinha, o açúcar, o fermento, a raspa de limão e as especiarias.

Combinar a mistura da batata no alguidar da farinha.
Mexer bem com a colher de pau.

Misturar as frutas secas com as colheres de farinha e juntar à massa.

Tender pequenas broas numa taça com farinha.
Dispor num tabuleiro e assar 30-40min., ou até estarem douradas, em forno pré-aquecido a 200ºC.

Retirar e deixar arrefecer sobre uma grelha.


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Não se quer uma massa demasiado mole por isso começar por juntar apenas os 600ml de leite e se for necessário juntar até aos 750ml. A quantidade de leite depende do tipo de batata que pode ter absorvido mais ou menos água ao cozer;
- Parte do leite pode ser substituído por vinho do porto;
- A quantidade de açúcar pode variar consoante o gosto de 1kg a 1,2kg;
- Pode ser usada erva-doce em grão fervendo o leite com uma "boneca" de pano contendo as sementes, para infusão;
- Outras frutas secas podem ser usadas como os tradicionais pinhões e/ou figos secos cortados;
- As broínhas podem ser congeladas inteiras ou partidas ao meio para serem descongeladas diretamente na torradeira.

9 comentários:

  1. Olá!Belo texto e Ótima receita. Amanhã também vou reviver esta tradição da família de meus avós maternos fazendo uma receita parecida . parabéns pelo texto e otimos passo a passo. Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Gosto muito de fazer bolinhos e broínhas como estas.
    Gostei muito das tuas ;)

    ResponderEliminar
  3. Há tradições tão nossas e tão bonitas que vão sendo abandonadas pelas modernices das festas da moda, uma pena.
    Eu adoro o Pão por Deus ou Dia do bolinho!
    Esta receita parece-me deliciosa, vou experimentar, estes bolinhos de festa das aldeias são tão bons com uma chávena de chá que é coisa para fazer mesmo apenas porque sim.

    ResponderEliminar
  4. Que bela quantidade broínhas!
    Em vez de pequenas podem ser moldadas num tamanho maior, levam muito mais tempo no forno?

    ResponderEliminar
  5. A minha mãe faz uma receita pareecida com esta, mas com batata doce. Ficam deliciosas!!

    ResponderEliminar
  6. Uma doce tradição, e com o nosso ingrediente de eleição ;)

    Ficou-nos a vontade de experimentar a receita !

    Já conhece a nossa página? Temos variadas receitas, dicas e curiosidades para partilhar.

    Venha conhecer-nos em
    https://www.facebook.com/batatascomsabor

    ou no nosso site
    www.batatasdefranca.com

    Até lá, boas receitas !

    ResponderEliminar
  7. Na foto em que fazes o puré, estás a usar um pé específico da varinha mágica? Qual é a tua varinha mágica? Recomendas?

    ResponderEliminar
  8. Cila, claro que podem ser moldadas em tamanho maior, apenas demoram mais a assar.
    Se começarem a ficar com uma cor escura cubra com folha de alumínio a meio da cozedura.

    Quando asso em tamanho familiar moldo ao comprido para poder fatiar mais facilmente e depois até torrar.

    ResponderEliminar
  9. Rui (desculpe só agora responder, mas o comentário ficou no spam, não sei bem porquê), sim, este pé é específico para purés.
    A minha 1.ª varinha mágica foi uma Braun Minipimer 500w com todos os acessórios e com pé de plástico. Ao fim de 6 anos avariou e não "tinha arranjo", mas como tinha todos os acessórios acabei por comprar uma nova Braun Minipimer 600w. Durou até este ano, mais uns 7-8 anos. Durante este tempo tive de comprar nova vara de arames, lâmina e tampa do copo do triturador pequeno.

    Desta vez resolvi mudar de marca, comprei Kenwood 700w. Pé em inox e com outros 2 pés plásticos, para puré e sopas. Estou a gostar muito do resultado. Parece uma varinha profissional. Dependendo do kit também tem copo triturador.
    O pé dos purés tem furos e a lâmina de plástico comprime a batata contra os furos, assemelha-se mesmo ao funcionamento de um passe-vite, resulta muito bem.
    Noutras marcas ou trituradores a batata é triturada ficando o puré com muita goma.

    ResponderEliminar

Deixe aqui o seu comentário a esta cozinha!