domingo, 29 de novembro de 2009

RISOTTO DE CAMARÃO

Quem diz não a um belo risotto? Por aqui fazem-se e são do agrado de todos. De cogumelos é um dos meus preferidos, mas este de camarão não lhe fica nada atrás.
Para mim arroz é prato principal. Gosto pouco de arroz como acompanhamento.
Arroz de polvo, pato, marisco, bacalhau... é fantástico.

Há algumas regras e poucos segredos para fazer um risotto. O arroz terá que ser tipo arbóreo, carnaroli, vialone nano ou outro para risotto, deverá ser frito com a gordura inicial, o vinho é usado logo como o 1.º líquido para que o álcool evapore, o caldo/água a ser usado é colocado aos poucos até ser absorvido pelo arroz para que este fique cremoso, o queijo parmesão ralado e a manteiga ficam para o fim e antes os comensais esperarem pelo risotto que o risotto espere para ser servido.

Claro que há variações possíveis, o arroz a ser usado pode ser o carolino (jamais usar arroz agulha), mas embora seja de grão pequeno e forme goma, não é igual ao arroz para risotto que tem muito amido. Resulta num bom prato de arroz, mas sem a essência de um risotto.

Com estas simples regras, qualquer um é capaz de fazer um belo risotto desde o simples Risotto alla Milanese, apenas com açafrão, ao Risotto de tudo e mais alguma coisa.

Fiz assim...

RISOTTO DE CAMARÃO


INGREDIENTES
250g de arroz para risotto (não lavar)
1 fio de azeite
1 cebola pequena
2 dentes de alho
500g de camarão cru descascado
100ml de vinho branco seco (martini por exemplo)
1l de caldo de camarão
1/4 colher (chá) de pimenta preta moída
1/4 colher (chá) de pimenta de caiena
1/4 colher (chá) de açafrão ou açafrão-das-índias (curcuma)
4 colheres (sopa) de coentros ou salsa picada
sal
100g de queijo parmesão ralado
2 colheres (sopa) de manteiga

PREPARAÇÃO
Num tacho colocar o azeite e levar ao lume. Fritar ligeiramente os alhos bem picados e a cebola picada, sem ganhar nenhuma cor, apenas até ficar transparente.
Juntar o arroz e deixar fritar ligeiramente.
Refrescar o arroz com o vinho branco e mexer.

Acrescentar os camarões crus e fritar um pouco.
Acrescentar o caldo de camarão quente aos poucos, mexer bem para soltar do fundo.
Entre os acrescentos de caldo, temperar com as pimentas, o açafrão-das-índias e a salsa/coentros (guardar 1 colher (sopa) para enfeitar).
Acrescentar mais caldo quando o arroz começar a pegar ao fundo do tacho.

Assim que o arroz estiver cozido (ao provar não se encontra o interior duro), mas inteiro, ao fim de 15-20min. juntar um pouco mais de caldo, a manteiga e o queijo (guardar 1 colher (sopa) por pessoa). Mexer.

Servir de imediato polvilhando com o restante queijo e salsa/coentros picados em cada prato.

Rende para 4 pessoas.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- O caldo de camarão pode ser obtido triturando cabeças de camarões cozidos em água quente e posteriormente coado, ou então dissolvendo no 1l de água a ferver 2-3 colheres (sopa) de sopa de marisco instantânea, conforme o gosto;
- O caldo de marisco instantâneo tem sal, por isso deve-se apenas acrescentar o sal no final, para rectificar;
- Se o camarão a ser usado foi cozido, por exemplo para se obter o caldo de camarão com as cabeças, então junta-se ao risotto mais para o fim da preparação. Convém usar camarão que não seja muito pequeno (tamanho 40/60 no mínimo), já que este risotto apenas é de camarão.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

BATATA DOCE ASSADA

Vai uma batata doce assada?

É mais um cheiro de Outono, a minha estação preferida. As batatas doces trazem-me boas recordações de infância.
Aos sábados de manhã levantava-me cedo para ver desenhos animados, ainda inofensivos, na televisão, enquanto esperava que os meus pais trouxessem do mercado farturas e por esta altura, batata doce assada. Às vezes, também eram assadas no forno da padaria.

O ano passado ainda as vi assadas no supermercado, mas este ano só aqui em casa mesmo.

Para comer basta retirar a pele, que no fim de frias, se destaca facilmente. Outra utilização da batata doce assada é em substituição da cozida. Tal como a abóbora assada, o sabor fica mais intenso do que obter o puré por cozedura. Tarte, broas, merendeiras...

Fiz assim...

BATATA DOCE ASSADA



INGREDIENTES
batata doce

PREPARAÇÃO
Lavar as batatas, se for preciso com uma escova, em água corrente.
Levar a assar em forno pré-aquecido a 180ºC, num tabuleiro.
Virar as batatas quando tocadas se sentir a pele a soltar, enfolada. Deixar assar até estarem macias.
Deixar arrefecer no tabuleiro.



Outras fornadas...

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Assar batatas a mais do que as se vão usar, descascar no fim de frias e congelar num saco. Quando for preciso fazer um puré, bata descongelar totalmente e passar pelo passa-vite ou semelhante. Assim rentabiliza-se o gasto do forno.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

MANTEIGAS COM MARMELADA - BOLACHAS DE MANTEIGA COM MARMELADA

Esta é uma receita clássica de bolachas de manteiga, 1:1:2:2, entenda-se 1 parte de manteiga, 1 parte de açúcar, 2 ovos e 2 partes de farinha.

Dias de chuva pedem bolachas e assim foi.
Estas ficaram com o aroma simples da manteiga, mas podem ser aromatizadas com o que se desejar.
Optei apenas por as cobrir/decorar com marmelada, mas pode ser doce de morango ou outro.

Estas bolachas ficam crocantes e permanecem assim se forem fechadas numa lata ou frasco.
Nesta massa o que faz a união dos ingredientes é sobretudo a manteiga. Noutras massas usa-se leite, água ou sumo, para unir os ingredientes e reduzir a quantidade de manteiga, o que resulta no desenvolvimento de glúten que torna a massa mais elástica, mais fácil de cortar, mas endurece a bolacha, obtendo-se a crocância à custa da dureza. No entanto ficam massas menos calóricas, pois têm menos gordura. Esta massa de manteiga deve ser amassada rapidamente e mantida fresca.

Para resolver este problema adaptei e faço a receita Bolachas - Receita base que sendo também bolachas de manteiga, não são as Manteigas, como estas. Com a mesma quantidade de farinha e ovos, reduzi a manteiga e açúcar obtendo bolachas igualmente crocantes, mas mais duras. São melhores para fazer com crianças, pois é mais moldável para o corte, não precisa de frigorífico, pois a quantidade de manteiga é menor e não aquece, são menos doces e podem depois ser pintadas.

Fiz assim...

MANTEIGAS COM MARMELADA - BOLACHAS DE MANTEIGA COM MARMELADA


INGREDIENTES
250g de manteiga
250g de açúcar
2 ovos
500g de farinha
aromas/corantes (opcional)

marmelada

PREPARAÇÃO
Amolecer a manteiga e misturar com o açúcar. Juntar os ovos batidos e a farinha. Amassar apenas até formar uma bola.
Dividir a massa em duas bolas e levar ao frigorífico cerca de 20min..

Na pedra enfarinhada esticar com o rolo da massa uma das bolas de massa. Cortar como desejar, calcar com o dedo para fazer uma cavidade e colocar num tabuleiro (ou usar um corta massas que molde uma cavidade). Repetir a operação para a outra bola de massa.

Numa tigela amassar um pouco de marmelada para que fique macia. Pode ser necessário aquecer ligeiramente no microondas ou juntar umas gotas de água. Colocar a marmelada amassada numa seringa larga e cobrir as cavidades das bolachas.

Levar a assar em forno pré-aquecido a 200ºC, cerca de 7-10min..

Retirar e deixar arrefecer sobre uma grelha.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Para evitar que a massa aqueça, no fim de cortar as primeiras bolachas, juntar as sobras, formar rapidamente uma bola e levar ao frigorífico, trabalhando agora a bola de massa que permanecia no frigorífico. Repetir ciclicamente o procedimento;
- O forno tem de estar quente para que as bolachas não alarguem por fusão da manteiga.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

CASTANHAS ASSADAS NO MICROONDAS

Gosto muito de castanhas, assadas, cozidas ou fritas.
As castanhas na rua têm o seu encanto, é o cheiro, é o fumo misturado com o frio e a humidade do ar, é a cinza esbranquiçada que as envolve, é o próprio cartucho de lista telefónica.

Em casa podemos assar as castanhas na lareira, no forno, no fogão ou no microondas.
Satisfaz-me bastante assar as castanhas no microondas: é rápido, a casca e a pele solta-se facilmente, ficam macias e não queimam.

Para quem não está habituado a dificuldade está no controlo do tempo de cozimento. Há que experimentar alguns segundos e ir aumentando o tempo até se obter o grau de de cozimento desejado. Pouco tempo deixa-as encruadas, muito tempo deixa-as secas ou mesmo quase piladas.

No fim de almoço, com o café, 3-4 castanhas assadas, no próprio prato do microondas, tão rapidamente, é óptimo, é Outono.

Fiz assim...

CASTANHAS ASSADAS NO MICROONDAS


INGREDIENTES
castanhas

PREPARAÇÃO
Cortar as castanhas longitudinalmente, até meio, começando pelo bico.
Levar ao microondas num pirex, na potência máxima, até que a casca se retraia ligeiramente e a castanha apareça com cor amarela.
Na potência de 1100W, 2 castanhas demoram 30segundos, 12 castanhas, 1 min. e 30seg..

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Cortando as castanhas como se indica facilita o descascar tanto de castanhas assadas como cozidas com erva doce;
- Para controlar o tempo de cozimento, retirar uma castanha, descascá-la e verificar se está macia;
- Mesmo para quando se quer usar castanhas na preparação de uma refeição, para as fritar, por exemplo, assá-las ligeiramente no microondas permite descascá-las facilmente e para depois serem acabadas de cozinhar.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

BOLO DE MAÇÃ E NOZ

É um bolo consistente, muito aromático, muito saboroso, com sabor a Outono/Inverno.
Prático e rápido de fazer, sem grandes pormenores. Rende bastante.

A mistura dos açúcares e a maçã em pedaços ajudam a manter a massa húmida, mesmo ao fim de alguns dias.

A AM, que me deu a receita, sugere uma forma de chaminé, ficando com um ar mais rústico e caseiro. Eu usei uma forma redonda rasa para o poder cobrir com a cobertura de queijo creme. E que bem ficou a cobertura neste bolo, o aroma da manteiga-baunilha combina na perfeição.

A repetir sem dúvida e já o imagino também com umas passas maceradas em vinho do porto ou rum...

Fiz assim...

BOLO DE MAÇÃ E NOZ


INGREDIENTES
Para o bolo:
6 ovos
200g de açúcar branco
200g de açúcar mascavado ou amarelo
180ml de óleo
1 cálice de vinho do porto
2 colheres (chá) de canela moída ou 2 gotas de essência de canela
280g de farinha
2 colheres (chá) de fermento químico
150g de maçã descascada e em cubos
100g de nozes partidas

Para a cobertura:
200g de queijo creme tipo Philadelphia
100g de açúcar em pó
2 colheres (sopa) de leite
1 gota de aroma de manteiga-baunilha (ou raspa de limão ou laranja, ou outro aroma)

PREPARAÇÃO
Numa tigela grande bater os ovos com a vara de arames, juntar o açúcar, o óleo, o vinho do porto e a canela. Bater bem.
Adicionar a farinha e o fermento e envolver tudo.
Acrescentar a maçã e as nozes partidas.
Levar ao forno pré-aquecido, a 180ºC, em forma de 30cm diâmetro, forrada com papel vegetal.

Deixar arrefecer uns minutos e desenformar. Deixar arrefecer completamente antes de cobrir.

Para a cobertura, juntar na taça da batedeira todos os ingredientes e bater uns minutos até o creme ficar consistente e capaz de ser barrado.
Cobrir o bolo, com a ajuda de uma espátula.


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Para que o bolo fique com a massa mais clara use a essência de canela (2 gotas apenas) em vez da canela em pó, como eu fiz;
- A cobertura de queijo creme é muito prática e pode ser aromatizada ou corada com o que se quiser: aromas de baunilha, limão, laranja, café, chocolate, amêndoa ou raspas de citrinos...

sábado, 14 de novembro de 2009

BATATAS FRITAS NO MICROONDAS

Batatas fritas sem óleo. Esta é a grande vantagem.

As batatas no microondas não ficam como as tradicionais e não devem ser tomadas como tal.
No entanto ficam mais estaladiças, mais secas, sabem a batata e não se fica com qualquer culpa de as comer, pois não têm gordura.

Como o prato do microondas só permite um suporte para batatas de cada vez, só se consegue fazer porções para 1-2 pessoas. Mas como se mantêm estaladiças durante muito tempo, pode-se repetir o procedimento até termos a quantidade desejada.

Mesmo assim, vale a pena experimentar, como acompanhamento ou apenas como aperitivo, para dipar num molho aromático ou exótico.

Os miúdos aqui em casa são fãs!

Fiz assim...

BATATAS FRITAS NO MICROONDAS


INGREDIENTES

batatas
sal fino

PREPARAÇÃO
Descascar as batatas e cortar em rodelas finas, com cerca de 2-3mm.

Dispor as rodelas de batata nas ranhuras do suporte de batatas para microondas.
Polvilhar com sal fino.

Levar ao microondas cerca de 12min. na potência 1100W, ou até que fiquem secas e comecem a aparecer manchas acastanhadas.


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Não querendo, elimina-se o sal, pois ficam óptimas sem, ou acompanhando um prato que tenha um pouco de molho;
- Como o tempo de cozedura depende da potência do microondas e do grau de hidratação das batatas, convém ir verificando o grau de cozedura e acrescentar mais tempo, de forma a obter o resultado desejado. Da próxima vez já se controla melhor o tempo.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

ARROZ DE POLVO

Arroz de polvo é óptimo nos dias que começam a arrefecer.
Aqui em casa gosta-se do arroz de polvo um pouco caldoso, mas isso fica ao gosto de cada um. Caldoso ou não, terá de ser feito com arroz carolino.
Não gosto do polvo extremamente cozido, muito macio, mole, gosto dele cozido mas de forma a oferecer alguma resistência ao cortar e trincar.
É um prato de eleição, presente nalgumas casas no dia de Natal.

É uma boa sugestão para o almoço de Domingo pois não há tanto stress, como noutros dias.
No entanto se estiver tudo preparado com antecedência, num dia de semana também pode ser prático: o polvo pode estar já cozido, cortado e congelado na própria água da cozedura; a cebola e o alho podem estar já picados e congelados; o pimento cortado em tirinhas finas e congelado; o arroz coze em menos de 10min..

Quando cozo polvo gosto de cozer a mais e depois congelar já cortado. Serve para outro arroz de polvo, uma salada, uma entrada ou outra utilização.

Fiz assim...

ARROZ DE POLVO


INGREDIENTES
Para cozer o polvo:
1 polvo grande
1/2 cebola descascada
2 grãos de pimenta
1 colher (chá) de sal

Para o arroz:
2 tomates
1 cebola média
2 dentes de alho
1 piri-piri seco
3 tirinhas de pimento vermelho
300g de arroz carolino
1 fio de azeite
100ml de vinho branco
2 pés de salsa
sal

PREPARAÇÃO
Cozer o polvo, congelado, na panela de pressão, em água, cebola, pimenta e sal, cerca de 20min. depois de levantar pressão. Desligar e deixar mais uns minutos, 10 min., dentro da panela fechada.
Retirar o polvo e colocar na tábua. Deixar arrefecer um pouco. Coar a água da cozedura e reservar..
Cortar o polvo em pedaços. Reservar.

Descascar os tomates e picá-los na tábua, bem como a cebola, os dentes de alho e o piri-piri. Colocar os ingredientes picados num tacho e levar ao lume. Assim que começar a ferver adicionar água quente que cubra o tomate e juntar as tiras de pimento. Deixar ferver até o tomate e o pimento estar macio.

Juntar o arroz lavado e mexer. Deixar secar um pouco, mexendo sempre.
Acrescentar só depois o fio de azeite e envolver bem. Assim que estiver novamente seco e a querer pegar adicionar o vinho e mexer para evaporar.

Juntar a água de cozer o polvo até que fique 2 dedos acima do arroz. Acrescentar a salsa e o polvo cortado, distribuindo-o por cima.
Assim que o caldo estiver a ferver reduzir o lume para o mínimo e deixar cozinhar 3min., tapado.
Mexer para verificar que não se pega ao fundo, se estiver seco juntar mais água do polvo ou apenas água quente, rectificar de sal.
Deixar cozinhar mais 5min. em lume baixo e desligar.

Retirar a salda e servir de seguida.

Rende para 4 pessoas.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Desligar o lume quando o arroz estiver quase no ponto, mas antes de estar, pois enquanto espera uns minutos acaba de cozer.

domingo, 8 de novembro de 2009

ALETRIA

A aletria é um doce típico da região do Douro litoral, mas rápido se espalhou por todo o Norte do país e sem dúvida por todo o país.

Feita sobretudo na época natalícia, nalgumas regiões em substituição do Arroz Doce, noutras alturas do ano também sabe bem.

O sabor é bem parecido com o do Arroz Doce, com a diferença óbvia de que em vez de arroz é feita com massa tipo aletria (do árabe al-irtiâ). Esta massa bem fina pode ser usada noutras situações doces e salgadas. Os restantes ingredientes são parecidos, leite, ovos, casca de limão e canela.

Dependendo da região do país que a adoptou, caracterizou-a à sua forma. Há aletria mais cremosas ou mais secas de cortar em fatias ou cubos. Com ovos ou sem ovos. Esta versão tem ovos (gemas) e não é seca, é cremosa, mas não em demasia.
Gosto de todas as versões, excepto quando a massa foi cozida em demasia e deixa de ser sentida, passando a aletria a parecer um só creme.
Algumas versões são apelidadas de Cabelos de Anjo ou de Ouro, porque a massa coze numa calda de açúcar e no final os fios dourados da massa sobressaem como se de cabelos de um anjo se tratasse.

Indico as quantidades para 2 travessas, pois quando faço partilho e gosto de ficar com uma em casa. Se for para fazer apenas uma travessa, então fazer apenas metade da receita.

Fiz assim...

ALETRIA



INGREDIENTES
300g de massa de aletria (com ou sem ovos)
1l de leite
2 cascas de limão (apenas o vidrado)
350g de açúcar
100g de manteiga
6 gemas
pitada de sal

canela em pó para decorar

PREPARAÇÃO
Colocar uma panela grande com água e sal ao lume. Assim que ferver juntar as meadas de massa que deverão ser partidas com a mão para soltar os fios.
Deixar cozer 5min..
Escorrer a água num coador.

Na mesma panela levar o leite a ferver, juntar a casca de limão, o açúcar e a manteiga. Assim que ferver retirar para uma taça, 3 conchas deste leite e reservar.
Juntar a massa escorrida ao leite da panela. Mexer para soltar os fios.
Deixar cozer 5min. mexendo para não pegar no fundo.
Retirar do lume.

Juntar as gemas batidas ao leite reservado e adicionar tudo à aletria. Levar novamente a cozer 5min..

Retirar a aletria com uma concha para um prato fundo ou travessa.
Decorar com canela em pó, ainda quente, fazendo desenhos segurando a canela entre o indicador e o polegar.

Servir depois de frio.


NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- É importante quebrar as meadas de aletria para que ao cozer não ela não se una e forme feixes de massa mais dura;
- Para ser prático e eficaz, ao leite reservado juntar as gemas e bater com a varinha mágica;
-Depois de juntar as gemas deve cozer cerca de 5min. em que o caldo começa a secar. Atenção que à medida que a aletria arrefece na travessa, seca um pouco, por isso não deixar secar em demasia na panela.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

PÃO SEMI-INTEGRAL DE MEL E AZEITE

A côdea deste pão é fantástica. Rija e estaladiça.
O aroma é óptimo. Mel, mas não muito pronunciado.

O segredo está no vapor de água. Consegue-se esta côdea com esta cor usando um tabuleiro de água para que aqueça e vaporize, ou então assando a massa num recipiente fechado (de vidro, cerâmica, barro, metálico...). Usei uma forma metálica de pão de forma com tampa. Para que não ficasse tipo pão de forma, usei as quantidade referenciadas, para que a massa não ocupasse toda a forma. Assim, ficou com o topo abaulado.

A massa é muito simples e óptima de amassar, pode ser feita à mão, foi o caso ou na MFP. De qualquer das forma é bastante rápida.

Fiz assim...

PÃO SEMI-INTEGRAL DE MEL E AZEITE


INGREDIENTES
400g de farinha de trigo T65
200g de farinha de trigo integral
1 colher (chá) de sal
3/4 de colher (chá) de fermento biológico seco
1 colher (sopa) de mel
2 colheres (sopa) de azeite
300ml de água morna

PREPARAÇÃO
À mão, numa tigela grande colocar as farinhas, abrir uma cavidade ao meio e colocar o sal, a água, o fermento, o mel e o azeite. Misturar bem e depois amassar uns minutos, até ficar homogénea. Formar uma bola.
Deixar repousar na tigela tapada durante 45min..
Retirar, enfarinhar e tender um rolo.

Pré-aquecer o forno a 200ºC.

Colocar na forma polvilhada com farinha, tapar e deixar descansar mais 30min..
Levar a assar a forno pré-aquecido cerca de 30min., assim que tenha atingido os 180ºC.
Retirar da forma e levar uns minutos ao forno com este já desligado.
Retirar novamente e deixar arrefecer numa grelha.

Na MFP, colocar a água, o sal, o fermento, o mel, o azeite e as farinhas. Seleccionar o programa "Massa". No fim de 45min. retirar a massa, e seguir as instruções de fazer à mão.

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- A farinha integral pode ser substituída por trigo normal, por centeio, ou outra;
- Podem ser incluídas sementes ou frutos secos.

domingo, 1 de novembro de 2009

PÃEZINHOS PARA O DIA DO BOLINHO

O ano passado fiz Bolinho para o dia do Bolinho.
Este ano fiz uma versão mais soft, menos doce, mais macia, mais elástica. Menos bolo e mais pão. Um pãozinho doce com abóbora e nozes.

Mais uma vez usei apenas nozes, embora goste de lhes juntar passas, mas como muitos não gostam, deixei apenas as nozes.

Não adianta fazer apenas 1kg de farinha, quero que renda bastantes pãezinhos para dar para todos, se sobrar algum, congela-se.

O Dia do Bolinho no Dia de Todos os Santos é uma alegria para as crianças. De manhã corre-se, em grupos, a redondeza de porta em porta. Nas zonas mais rurais "Pão por Deus!" e nas zonas mais urbanas: "O tia dá bolinho?" são expressões que se têm para receber em troca um bolinho de frutos secos, ou nos dias que correm também rebuçados e outros doces, frutas (maçãs, romãs...) ou secas (castanhas, nozes, amêndoas...).
Eu percorria os vizinhos com uma saca de pano de pão, também há quem as fizesse de propósito com retalhos de tecidos, hoje nos infantários comemora-se o dia fazendo com as crianças as próprias sacas, e bonitas que elas ficam.

Um bom Dia do Bolinho, e que este nunca vos falte.

Fiz assim...

PÃEZINHOS PARA O DIA DO BOLINHO


INGREDIENTES
500g de farinha de milho
50ml de azeite
1l de água a ferver
1/2 colher (chá) de sal
500g de puré de abóbora
2 colheres (chá) de canela moída
2 colheres (chá) de erva-doce moída
1 colher (chá) de cravinho moído
500g de açúcar
50ml de aguardente
1 colher (sopa) de fermento biológico seco
500ml de água
2kg de farinha (300g + 1700g)
500g de miolo de noz partido

PREPARAÇÃO
Numa bacia grande colocar a farinha de milho e escaldar com o azeite quente e o litro de água a ferver. Mexer bem. Juntar o sal e o puré de abóbora. Envolver bem.

Entretanto numa taça misturar o fermento com 500ml de água, mexer, e juntar 300g de farinha.

Na bacia continuar a juntar a canela, a erva-doce, o cravinho, o açúcar e a aguardente. Mexer.
Juntar a mistura do fermento e o resto da farinha. Amassar bem.
Juntar as nozes e voltar a amassar.

Deixar levedar, tapado com um pano de cozinha, 1.30h.
Pré-aquecer o forno a 200ºC.

No fim de levedar, retirar pequenas porções de massa, 100-110g, para a pedra enfarinha e tender pequenas bolas. Polvilhar com farinha. Deixar descansar 15-20min. num tabuleiro enfarinhado, tapado com um pano.
Cortar com a tesoura em cruz e levar a assar a 200ºC, 15min. ou até ficarem dourados.

Retirar e deixar arrefecer numa grelha.

Rende 50 pãezinhos.

Tabuleiro pronto com os Pãezinhos e doces

NOTAS, MAS NÃO MENOS IMPORTANTES
- Quando se junta a restante farinha, deixar uma pequena parte, pois pode não ser necessária a totalidade, ou pelo contrário pode ser necessário juntar mais alguma. Nunca em demasia, quer-se a massa macia;
- Querendo torná-los, bolos, é só juntar mais açúcar, a gosto;
- Outros aromas podem ser juntos, as raspas de laranja ou limão, baunilha, vinho do porto...